A CHAMA DA VIDA EXTINGUIU-SE
Rosimeire Leal da Motta Piredda

(Lembranças não se evaporam, criam raízes no coração!)

(Obs.: Poesia escrita logo após a morte do meu pai, Pedro Sabino da Mota - 1912/ 2007)

Voltar
para o Índice


Texto Do Livro
"O CAIR DA TARDE"
Poesia e Prosa

Editora CBJE -
Rio de Janeiro
Brasil
Julho/ 2012

Vela acesa.
Luminosidade intensa, brilho.
Fogo forte, ardente, envolvente!
O tempo amadureceu o cilindro de cera,
diminuindo o vigor da claridade!
Subitamente, sua luz tornou-se embaçada:
o pavio encolheu, apagou-se!
Queimaram-se os traços da sua presença.
A chama da vida extinguiu-se!
Uma leve fumaça teimava permanecer no ar:
lembranças não se evaporam,
criam raízes no coração!

---------------------------------------------------------------


 

Poesia - "A Chama Da Vida Extinguiu-Se."
Texto Do Livro "O Cair da Tarde"
Editora CBJE - Rio de Janeiro - Brasil
Julho/ 2012
Autora - Rosimeire Leal da Motta Piredda