TEXTOS DO LIVRO "O CAIR DA TARDE"
Poesia e Prosa
de Rosimeire Leal da Motta Piredda

01 Crônica - 32 Poesias


Editora CBJE - Rio de Janeiro - Brasil Julho/ 2012

 

Compartilhe no Facebook

 

Voltar para o Índice

POESIAS :

Protesto Mudo
Masmorra interior
Sonhos Perdidos
Choro Convulsivo
Versos Alinhavados
Forças Contrárias
Pensamentos Rebeldes
Maldade!
Voo Espiritual
O Descontrole
Timidez
A Conquista
Poema da Madrugada
Prisioneira do seu amor
Vestida de Ternura
Jornal Calado
Esculpindo uma Poesia
Poema Inacabado
Menores Abandonados

CRÔNICAS :

 

APRESENTAÇÃO :

A maioria das poesias deste livro são frutos da saudade do meu pai, é a expressão da dor de uma ausência.

O meu pai era do tempo do cangaço e isto explica sua maneira de agir, de querer resolver tudo na força do seu braço ou a base do revolver (ele viveu numa época onde ainda não existia policiais e cada pessoa tinha que se defender com sua força e coragem).

Como todo ser humano, ele tinha defeitos e qualidades, mas a única coisa que importa é que ele era o MEU PAI.

Quero lembrar apenas os momentos bons e as alegrias que ele proporcionou a família e, se for folhear as páginas do livro de sua existência do convívio com a família, veremos que há flores e espinhos. Sim, houve espinhos e muitos se feriram, mas Lágrimas, sofrimentos e dor não se recordam.

Apesar de no fim da vida estar com 95 anos, ele tinha espírito jovem e uma vontade de viver mais e mais, mas a porta da vida se fechou.

Todo mundo sabe que um dia a morte vai chegar, mas no fundo ninguém quer morrer, nem deseja que seus entes queridos partam desta vida.

Mas, agora ele está calado: silêncio para refletirmos, ausência para sentir que ele faz falta!

Sim, meu pai (Pedro Sabino da Mota), sentimos muitas saudades do senhor!

_ Rosimeire Leal da Motta Piredda __

 

 
\n