TEXTO DO LIVRO "VOZ DA ALMA"
Poesia e Prosa
de Rosimeire Leal da Motta Piredda

Editora CBJE - Rio de Janeiro - Brasil
Novembro/ 2005

 

Voltar para o Índice

AMARGURAS
Rosimeire Leal da Motta Piredda

(Lembre-se: após uma noite escura, sempre amanhece um novo dia...)

 

Grandes angústias,
mente obstruída, visão nebulosa.
Embarcação com bombas de sucção
retirando as camadas de sujeira
no fundo do rio do coração.
O material recolhido é transportado às margens,
vêm à tona os sofrimentos.
O lodo torna os pés inseguros.
Escorrem as lágrimas pela face,
a tristeza perde o equilíbrio.
Águas poluídas, com resíduos do rancor,
impróprio para o banho,
proibido para a felicidade!
Fragmentos de problemas mal solucionados,
destroem a natureza ao redor,
envelhecem a vida,
retardam o crescimento!
Afogam-se na lama da baixa auto estima,
mergulha de corpo e alma, mas,
cospe substâncias com efeito coagulante.
O lixo flutua, não afunda.
Peneira o ego três vezes.
Mais limpo, porém, traumatizado,
é conduzido a uma cachoeira.
Precipita-se rumo a outro rio.
Deslizando pelos desenganos,
chegou num terreno seco e rachado.
Restou pouco do seu precioso líquido!
No seu caminho encontrou uma semente perdida.
Antes de esgotar a ultima gota, conseguiu regá-la!
A região agora é desértica, o sol arde.
Espantosamente brota uma flor:
Ainda há uma esperança!

-------------------------------------------------------------------



Poesia - "Amarguras"
Texto Do Livro "Voz Da Alma"
Editora CBJE - Rio de Janeiro - Brasil -
Novembro/ 2005
Autora - Rosimeire Leal da Motta Piredda

Poesia - "Amarguras"
Antologia Literária Virtualismo
AVBL - Bauru - SP
Dezembro - 2005
 
 
\n